sábado, 29 de janeiro de 2011

Regulação de Cortisol

           O sistema endócrino humano se caracteriza, como já foi mostrado neste blog algumas vezes, por uma série de mecanismos entrelaçados e bem organizados que atuam de maneira eficiente, buscando a homeostasia e a economia de recursos, para que o corpo use somente o necessário para seu funcionamento. Um mecanismo frequente na regulação hormonal é o feedback. Ele funciona de modo que a secreção excessiva de um hormônio iniba a liberação de outro que estimula a secreção do primeiro. Em relação ao assunto deste blog, esse feedback se aplica aos hormônios corticais, tanto em relação ao cortisol, quanto a aldosterona e os estrógenos. O objetivo desse post é aprofundar na regulação do hormônio cortisol.


           O cortisol é estimulado pelo ACTH(hormônio adrenocorticotrópico). O ACTH atua na síntese de cortisol aumentando a conversão de colesterol à pregnenolona, etapa que ocorre na mitocôndria. Essa etapa é intermediária na biossíntese de cortisol que ocorre basicamente mudando a cadeia lateral do colesterol. Esse processo de quebra da cadeia lateral é bastante comum na síntese de hormônios esteroides, mantendo o ciclo policíclico quase intacto. O ACTH atua nessa conversão elevando a concentração do conjunto enzimático SCC(clivagem da cadeia lateral), aumentando, consequentemente, a produção e secreção de cortisol.



           Porém, a regulação não é somente essa. O hormônio ACTH também é controlado por outro hormônio e por uma série de fatores. O ACTH é produzido pela adeno-hipófise e sua liberação é controlada, como quase todos hormônios hipofisários, pelo hipotálamo através do CRH. Entretanto esse controle também é feito em parte pela melatonina, produzida pela glândula pineal, que é responsável pela percepção da claridade e consequentemente pelo ciclo circadiano. A relação ente o ciclo circadiano e o cortisol é evidente se observarmos que há maior concentração de cortisol nas horas seguintes em que há mais melatonina na corrente sanguínea.


         
          A alta concentração de algum desses fatores estimula a secreção do cortisol, só que se a quantidade de cortisol for além daquela necessária, entra em ação o mecanismo de feedback. O excesso de cortisol inibe a liberação de ACTH, diminuindo a quantidade de liberador hipotalâmico circulante, inibindo a produção do cortisol. Desse modo o organismo trabalha de forma bastante eficiente, impedindo a quantidade desnecessária de cortisol e de todos os hormônios regulatórios. Esse meio intrincado de regulação foi selecionado ao longo da evolução e proporcionou aos seres humanos a economia de recursos que ajudou na perpetuação das espécies que apresentavam essa característica. 


          É importante ressaltar também que o defeito em algum desses mecanismos regulatórios acarreta no desenvolvimento de alguma doença. Um exemplo de defeito é um tumor na hipófise que pode alterar a quantidade de ACTH liberado, aumentando por consequência o nível de cortisol, gerando os sintomas da síndroma de Cushing(já mencionada neste blog).





 
 
Referências: Guyton & Hall - Tratado de Fisiologia Médica
 
 
Postado por: Lucas Menez de Oliveira
 

3 comentários:

  1. O blog está de parabéns bem detalhado resumido na medida, com referencias e tudo mais Ótimo...

    Flávio Agazzi

    ResponderExcluir
  2. Muito obrigado, Flávio! Agradeço os elogios, ficamos gratos pelo reconhecimento do nosso esforço e felizes em saber que estamos fazendo um bom trabalho.

    ResponderExcluir
  3. Pelo que entendi, tanto a falta quanto o excesso de cortisol são prejudiciais.

    Meu médico prescreveu pregnenolona bioidêntica. Pesquisando, descobri que ela é precursora do cortisol. Pergunta: isso vai elevar o cortisol? é possível controlar a conversão de pregnenolona em cortisol?

    Eduardo

    ResponderExcluir